::Perfil::

Nome:Juliana M e Bianca
Idade:...sua idade...
Cidade:...onde mora...
Gosto:...o que mais gosta...
Odeio:...o que mais odeia...
Filmes:...indique...
Músicas:...sua preferida...


::Amigos::

Angel Rose®
Melodiahot®
Serenata ao Luar®


::Sites Legais::
.::UOL - O melhor conteúdo::.
.::BOL - E-mail grátis::.




::Já Passou::
04/12/2005 a 10/12/2005
11/09/2005 a 17/09/2005
14/08/2005 a 20/08/2005
10/07/2005 a 16/07/2005


::Créditos::





::Votação::

Dê uma nota para meu blog






::Contador::



Avaliação do trabalho com blogs

1) O que você achou do trabalho com blogs na

disciplina de Física?

2) Que conhecimentos e habilidades você desenvolveu

postando seus trabalhos de Física no blog?

3) Você gostou de trabalhar em grupo ou prefere o

trabalho individual? Houve cooperação entre os

participantes do grupo?

4) Você seria capaz de elaborar um blog sozinho, sem

necessitar da ajuda dos colegas ou do professor?

5) O blog é uma nova forma de conhecer, pensar, escrever

e ler. Você concorda com isto? Explique porque?

6) Você considera importante um trabalho deste

tipo? Por que?

7) Você gostaria de continuar este tipo de trabalho

 no próximo ano? Por que?

Respostas:

1) Gostei achei interessante trabalhar com blogs e foi bem educativo.

2)Eu aprendi a fazer um blog e sobre esses físicos.

3)Meu trabalho foi individual.

4)Não, gostaria de ajuda de um colega.

5)Sim, você aprende mais sobre os assuntos pedidos.

6)Sim, por que um trabalho deste ajuda uma pessoa sobre vários assuntos.

7)Não, pois é muito cansativo. 



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 16h02
[] [envie esta mensagem]




Torriceli

Vida de Torricelli (1608 - 1647)

No ano de 1608, a 15 de outubro, nascia em Faenza um futuro cientista, destinado a desempenhar importante papel no desenvolvimento das idéias de Galileu. Seu nome era Evangelista Torricelli, o responsável pela comprovação do pêso do ar, também conhecido como precursor de Newton e Leibniz no desenvolvimento do cálculo infinitesimal.

Para que o menino pudesse estudar, seu pai, homem humilde, decidiu confiá-lo a um tio, superior de uma ordem eclesiástica. Foi esse o seu primeiro mestre, até que atingiu a idade necessária para ser aceito numa escola de jesuítas. Em 1627, com dezenove anos, inscreveu-se na Universidade de Roma. Aí, estudou matemática sob a orientação de Benedetto Castelli. Tinha como colegas alguns futuros matemáticos de fama, como Cavalieri e Ricci. Entre o professor e o aluno estabeleceu-se profunda identidade, a ponto de Castelli propô-lo a Galileu como secretário. A essa altura, Torricelli já havia ganho sólida fama científica. Não era, portanto, um simples desconhecido o homem que, em 1641, dirigiu-se a Florença, onde Galileu passava os últimos anos de sua vida em prisão domiciliar.

Galileu já exercia influência sobre seu jovem secretário muito antes de conhecê-lo pessoalmente, desde a época em que Torricelli estudara o Diálogo sobre os Dois Máximos Sistemas. A permanência na vila de Galileu e a convivência com outros discípulos (entre os quais Viviani) contribuíram para intensificar essa influência. Em pouco tempo Galileu conseguira convertê-lo para a causa do método científico como único meio válido para qualquer tipo de estudo.

A morte do mestre, entretanto, poucos meses após a chegada de Torricelli, fez com que o grupo de discípulos se dispersasse rapidamente. Torricelli pretendia dirigir-se a Roma, onde possuía amizades e conhecimentos feitos durante o período de seus estudos. Mas a fama alcançada em Florença, por ocasião de sua breve estada, impediu-o de partir: o Grão-Duque da Toscana nomeou-o matemático da corte. Tornava-se, dessa maneira, sucessor de Galileu na cátedra de matemática da Universidade.

Grande parte dos estudos matemáticos de Torricelli não conseguiu sobreviver. Eram, sobretudo, trabalhos efetuados em Roma, em época precedente ao período toscano, quando Torricelli publicou pouca coisa, e tudo sob a forma de apontamentos desordenados, freqüentemente incompreensíveis e desconexos. Felizmente, sua correspondência com outros sábios permitiu reconstituir os problemas que atraíam, na época, sua atenção.

Com a experiência do tubo que, cheio de mercúrio e invertido num recipiente do mesmo líquido, fica cheio só até um nível de cerca de 76 centímetros, Torricelli colocou em novas bases a afirmação aristotélica de que a "natureza tem horror ao vácuo". Na verdade, o tubo de mercúrio fica parcialmente cheio, não por causa de razões misteriosas que levariam os corpos a preencher os vazios existentes, mas devido à pressão atmosférica. A experiência de Torricelli serviu para comprovar a sua existência e, simultaneamente, medir o seu valor.

A invenção do barômetro não constituiu porém um fato isolado. Torricelli estudou muitos problemas concernentes à mecânica dos fluidos e à hidráulica aplicada. Conseguiu encontrar uma regra que permite avaliar a velocidade com que a água sai de um orifício praticado na parede de um recipiente, quando é conhecido o desnível que medeia entre o orifício e a superfície livre do líquido. A descoberta de que essa velocidade é igual à que a água adquiriria, se caísse livremente no vazio de uma altura igual ao desnível, constitui, praticamente, uma conseqüência direta das experiências de Galileu sobre os movimentos sujeitos à ação da gravidade, mas também representa uma intuição do princípio da conservação da energia.

Seus numerosos estudos de hidráulica não se limitaram unicamente à teoria. De fato, deve-se a ele o famoso estudo para o saneamento do vale do Chiana, contido no trabalho intitulado Sôbre o Curso do Chiana, publicado somente em 1768. A publicação contém, ainda, diversas observações sobre o movimento das águas.

Sua "preguiça" na realização de experiências não abrangia os trabalhos na óptica. Torricelli sabia construir instrumentos ópticos perfeitos, embora, estranhamente, nunca houvesse efetuado observações astronômicas, muito em voga na época. Assim, dizia que a sua residência, na praça do Duomo, não era, em absoluto, adequada às observações, uma vez que a cúpula de Brunelleschi (da Igreja de Santa Maria del Fiore) lhe impedia a visão do céu.

Acredita-se que Torricelli tenha aprendido diretamente de Galileu a arte de fabricar lentes. Além disso, desenvolveu um sistema para controlar a perfeição das superfícies obtidas. Suas peças se tornaram famosíssimas em todos os círculos científicos da época. Seus instrumentos ópticos alcançaram tal perfeição que o tornaram famoso por toda a Europa. O Grão-Duque da Toscana lhe deu trezentos escudos de ouro por sua invenção.



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h57
[] [envie esta mensagem]




A equação de Torriceli é mais uma que pode ser usada para determinar muitos aspectos importantes do movimento de um corpo, contanto que ele esteja em MUV.

Veja como ela é e o que cada termo representa.

v  à  velocidade final
vo à  velocidade inicial
a  à  aceleração
ΔS  à  variação do espaço  (S - So)

Se você reparar, o tempo não entra nesta equação, e é por isso que ela é útil.  Se você estiver resolvendo um problema, e nele não for dado o tempo, muito provavelmente a melhor saída será usar a equação de Torricelli. 

 

De onde saiu esta equação ?

Na resolução de problemas envolvendo o movimento uniformemente variado (MUV) podemos usar duas equações, a função horária do espaço e a função horária da velocidade.

função horária do espaço função horária da velocidade

A equação de Torricelli aparece quando isolamos o tempo na função horária da velocidade e o substituímos na função horária do espaço.  Na verdade podemos dizer que juntando as duas equações acima obteremos Torricelli.  

Isso significa que você pode responder qualquer exercício de MUV sem Torricelli.  Basta você usar uma das equações acima e depois substituir o valor encontrado na outra.  O que a equação de Torricelli faz é encurtar o caminho, servindo como um atalho.  Basta usá-la uma vez e pronto.

 



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h52
[] [envie esta mensagem]




 



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h52
[] [envie esta mensagem]




Johannes Kepler: Quem foi esse homem?

Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h46
[] [envie esta mensagem]




 Os Primeiros Anos:    Kepler nasceu no dia 27 de dezembro de 1571, na região da Suábia (hoje, o sudoeste da Alemanha). Sofreu de miopia e poliocopia anocular (visão múltipla). Teve problemas para se relacionar, tinha um gênio bem difícil,  mas era muito inteligente.  Por sua inteligência foi recebido aos 13 anos no seminário de teologia de Adelberg e ganhou uma bolsa de estudos do duque de Wurttenberg.  No seminário, também teve seus problemas: desprezou os colegas e o próprio seminário e se enterrou nos estudos.

            Os estudos:   Os professores o acharam brilhante  e alguns o acompanharam por toda a vida. Seus problemas se esvairam ao final da adolescência. Formou-se na Faculdade de Artes da Universidade de Tubigen aos 20 anos e resolveu seguir os estudos por mais quatro anos na faculdade teológica. Contudo, antes de se diplomar, foi convidado para ser professor de Astronomia e Matemática na província de Graz, capital da Estíria (hoje, Áustria). No entanto, para isso, teve de fazer também previsões astrológicas, o que repudiou.

           O erro:     Um de seus maiores enganos foi cometido em 09 de julho de 1595, quando desenhava formas geométricas no quadro-negro. Ele estava explicando o sistema heliocêncentrico (sistema que explica que os planetas giram em torno do sol) aos seus alunos quando lhe pareceu significativo existirem apenas seis planetas (na época só se conhecia seis deles) e cinco sólidos perfeitos (cubo, tetraedro, octaedro, dodecaedro e icosaedro). Resolveu increvê-los e circuncrevê-los dentro de seis esferas de forma que, houvesse, de fora para dentro : uma esfera, um sólido, outra esfera, outro sólido...E verificou que as distâncias entre as esferas eram proporcionais às distâncias das   entre as órbitas dos planetas.
            O problema é que isso só funcionou no caso de Marte, Terra e Vênus e era um total absurdo nos casos de Júpiter e Mercúrio.  No caso de Júpiter disse não haver importância pois o planeta estava longe demais. E no caso de Mercúrio, chegou a fraudar o número para não cair em contradição.

          Os trabalhos:  Depois desse erro grotesco resolveu mergulhar em pesquisas profundas sobre o sistema solar. Em 1596, com 24 anos, fez um resumo de suas pesquisas, os quais entitulou de Mysterium Cosmographicum. Casou-se em 1597.  Nesse mesmo ano, o arquiduque Fernando de Hamburgo decidiu varrerdas províncias a heresia luterana, mas Kepler conseguiu escapar do exílio por ter amigos jesuítas, mas perdeu o emprego.
Resolveu visitar Ticho Brahe, astrônomo dinamarquês que trabalhava no observatório de Uraniborg, entre Copenhague (na Dinamarca) e Heinsborg (na Suécia).  Ticho tinha a idéia fixa de alcançar a precisão e isso o motivava a construir instrumentos de trabalhos cada vez melhores. Ele conseguiu produzir, ao longo de trinta e cinco anos, grossos volumes de anotações extremamente precisas para os padrões da época.
            Cada um deles tinha uma peculiaridade que interessava ao outro: Kepler era um ótimo matemático e poderia fornecer os cálculos necessários a Ticho e ele, por sua vez poderia dar a Kepler, o acesso às suas anotações, para formular suas teorias. Mas não foi o que aconteceu.  Ticho sabendo da situação de Kepler o convidou para mudar-se para junto dele. Mudou-se e a vida junto a Ticho foi um verdadeiro inferno. Não só não tinha acesso as anotações, quanto não tinha sossego para trabalhar porque  o castelo do imperador vivia cheio de convidados de Ticho.  Dezoito meses após terem se conhecido, Ticho morreu.  Dois dias depois o imperador Rodolfo II nomeou Kepler como Matemático Imperial. Em Praga ficou dois anos.
            Lá, Kepler passou cinco anos tentando provar, em mais de 900 páginas de cálculos com letras bem miúdas, as teorias vigentes da época: uma que determinava dois centros para o sistema solar, um deles seria o sol e o outro, um centro geométrico que não coincidia com o primeiro. Depois de fracassar, começou a formular as suas próprias teorias. Em 1601, observando que Marte não se comportava nem como dizia Copernico, nem como escreveu Ticho, estudou e publicou o livro Astronomia Nova que contém as primeiras duas leis fundamentais:



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h44
[] [envie esta mensagem]




Relação kepler-copernico

No início de 1597, Kepler publica seu primeiro livro, cujo título abreviado é Mysterium Cosmographicum (Mistérios do Universo). Neste livro defendia o heliocentrismo de Copérnico, e propunha que o tamanho de cada órbita planetária é estabelecido por um sólido geométrico (poliedro) circunscrito à órbita anterior. Este modelo matemático poderia prever os tamanhos relativos das órbitas. Kepler enviou um exemplar para Tycho Brahe, que respondeu que existiam diferenças entre as previsões do modelo e suas medidas. Um exemplar enviado a Galileo, 8 anos mais velho que Kepler, fez este enviar uma pequena carta a Kepler agradecendo mas dizendo que ainda não havia lido, e dizendo que acrediatava na teoria de Copérnico.



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h25
[] [envie esta mensagem]




As leis de Kepler

 

Alguns anos após a morte de Copérnico, o astrônomo dinamarquês, Tycho Brahe, começou a desenvolver um importante trabalho no sentido de obter medidas mais precisas das posições dos corpos celestes. Os dados colhidos por Tycho Brahe, cuidadosamente tabelados, constituíram a base do trabalho que foi desenvolvido, após sua morte, por seu discípulo, o astrônomo alemão Johannes Kepler. O trabalho de Kepler teve êxito, tendo descoberto as três leis do movimento dos planetas.
Primeira lei: Um planeta se move descrevendo uma órbita elíptica tendo o Sol como um dos focos.
Segunda lei: A linha que liga o Sol ao planeta varre áreas iguais em intervalos de tempo iguais.
Terceira lei: É constante para todos os planetas a razão entre o tempo (T) que o planeta leva para dar uma volta completa em torno do Sol elevado ao quadrado e o raio médio (r) de sua órbita elevado ao cubo. T2/r3 = constante.
As leis de Kepler aplicam-se a quaisquer corpos que gravitem em órbita de uma grande massa central. Por isso, elas são aplicáveis não apenas ao nosso Sistema Solar, como também a outros sistemas do Universo. Elas podem ser também ser aplicadas, por exemplo, para um satélite que gravite em órbita de um planeta qualquer.



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h20
[] [envie esta mensagem]




Buraco Negro?

Um buraco negro se origina quando a velocidade de escape de um corpo equivale à velocidade da luz. Um corpo com a massa do Sol e com um raio de 2,5 quilômetros. Os buracos negros são possíveis pontos finais na evolução de uma estrela: é interessante notar que, enquanto as estrelas são grandes fontes energéticas do Universo, os buracos negros constituem verdadeiros redemoinhos energéticos, pois suas atrações gravitacionais são incomensuráveis, podendo até atrair e desviar raios luminosos.



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 15h09
[] [envie esta mensagem]




Isaac Newton

Isaac Newton nasceu em 4 de janeiro de 1643 (ano da morte de Galileo) em Woolsthorpe, Lincolnshire, Inglaterra. Embora tenha nascido no dia de Natal de 1642, a data dada aqui é no calendário Gregoriano, que adotamos hoje, mas que só foi adotada na Inglaterra em 1752. Newton veio de uma família de agricultores, mas seu pai morreu antes de seu nascimento. Ele foi criado por sua avó. Um tio o enviou para o Trinity College, Cambridge, em Junho de 1661.




Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 17h03
[] [envie esta mensagem]




O objetivo inicial de Newton em Cambridge era o direito. Em Cambridge ele estudou a filosofia de Aristóteles (384aC-322ac), Descartes (René Descartes, 1596-1650), Gassendi (Pierre Gassendi, 1592-1655), e Boyle (Robert Boyle, 1627-1691), a nova álgebra e geometria analítica de Viète (François Viète 1540-1603), Descartes, e Wallis (John Wallis, 1616-1703); a mecânica da astronomia de Copérnico e Galileu, e a ótica de kepler o atraíram.




Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 17h02
[] [envie esta mensagem]




É no campo que começam suas descobertas, entre elas o fenômeno de dispersão da luz, a lei da gravitação universal e formula as primeiras leis do cálculo infinitesimal e diferencial. Corria o ano de 1669, e Newton já havia chegado ao posto mais alto da Trinity.

Depois de um tempo foi oferecido á Newton o cargo de diretor da Trinity, que recusou por não ser Eclesiástico, mergulhando novamente nos estudos. Finalmente, em 1686, apareceu o fruto de 9 anos de estudo: Foi entregue á Royal Society o manuscrito de sua principal obra: "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica" , numa tradução livre, Princípios Matemáticos da Filosofia Narural. Foi nomeado deputado da Convenção Nacional nos anos de 1689-1690, e logo depois se reelegeu.




Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 17h01
[] [envie esta mensagem]




Um dia, Newton por causa de um descuido, deixou uma vela acesa e o incêndio destruiu todas as suas anotações sobre luz e cores. Depois disso começou a apresentar um comportamento estranho, alguns achavam que estava louco. Mas logo se recuperou e escreveu tudo de novo.

Só veio a abandonar o Trinity quando percebeu ser um péssimo professor (inclusive, numa certa oportunidade, todos os alunos faltaram á sua aula). Foi inspetor e diretor da Casa da Moeda por algum tempo, em 1703 foi nomeado diretor da Royal Society, publica seus estudos sobre luz e cores em 1704 e em 1705 a Rainha da Inglaterra o confere o título de "sir". Durante os dez últimos anos de sua vida, Newton se aposentou e começou a mudar de casa em casa, á procura de paz e tranquilidade. Seus trabalhos a partir daí foram todos voltados para provar a existência de Deus.




Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 16h59
[] [envie esta mensagem]




Primeiro trabalho de Isaac Newton.

O primeiro trabalho de Newton como professor Lucasiano foi em óptica. Ele havia concluído durante os dois anos de peste que a luz branca não é um entidade simples, como acreditavam todos desde Aristóteles. Embora o fato de que a luz solar produz várias cores ao passar por um prisma fosse conhecido, Giambattista della Porta, em seu De Refracione, publicado em Nápoles em 1558, usava a concepção de Aristóteles para dizer que as cores apareciam por modificação da luz. A aberração cromática (anéis coloridos em volta da imagem) de uma lente de telescópio convenceu Newton do contrário. Quando ele passava um feixe de luz solar por um prisma de vidro, um espectro de cores se formava, mas ao passar a luz azul por um segundo prisma, sua cor não mudava.





Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 16h52
[] [envie esta mensagem]




 



Escrito por Dieison, Raul e Juliana às 16h48
[] [envie esta mensagem]